Pinda: vacinação contra gripe começa dia 18

Terá início na próxima terça-feira (18), em Pindamonhangaba, a campanha nacional de vacinação contra a Influenza e de prevenção e diagnóstico precoce do câncer bucal. Para se vacinar, a pessoa do grupo prioritário deve comparecer ao posto de saúde mais próximo de casa, levando o RG. É recomendável levar o cartão de vacinação, se tiver.

A vacinação se estende até o dia 26 de maio, sendo o Dia "D" de mobilização nacional, o dia 13 de maio. Segundo Rafael Lamana, diretor do Departamento de Proteção aos Riscos e Agravos à Saúde da Prefeitura, no ano passado, cerca de 30 mil pessoas foram imunizadas em Pinda. Para este ano, a quantidade de vacinas disponibilizadas pelo Ministério da Saúde deve ser um pouco maior que este número.

Em todo o país, a campanha terá início na segunda-feira (17), mas no caso de Pindamonhangaba, a data é feriado municipal de São Benedito.

O Ministério da Saúde orienta que a vacina é contraindicada a pessoas com histórico de reação anafilática em doses anteriores e a quem tem algum tipo de alergia grave à proteína do ovo.

Quem pode ser vacinado - Podem receber as doses, as pessoas dos chamados "grupos prioritários", definidos pelo Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde. São elas: crianças de seis meses a menores de cinco anos; gestantes; puérperas (mulheres que deram à luz há menos de 45 dias); trabalhadores de saúde públicos e privados, nos diferentes níveis de complexidade; povos indígenas; indivíduos com 60 anos ou mais de idade; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional; pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais independentemente da idade (conforme indicação do Ministério da Saúde) apresentando prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina, que deverá ser apresentada no ato da vacinação; e professores das escolas públicas e privadas.

Guará: Alteração nos serviços de saúde

A Prefeitura Municipal da Estância Turística de Guaratinguetá, por meio da Secretaria de Saúde informa que a partir desta quarta-feira (12) o serviço de maternidade para os moradores dos municípios de Roseira, Potim e Aparecida terá como referência a Santa Casa de Misericórdia de Lorena.

Já os serviços de urgência/emergência para os munícipes das cidades anteriormente citadas, terão como referencial o Pronto Atendimento da Secretaria Municipal de Saúde de Aparecida, que funciona nas dependências da Santa Casa de Misericórdia do município.

Tais medidas foram aprovadas nesta terça-feira (11), em reunião da Comissão das Secretarias de Saúde do CIR – Circuito da Fé e Vale Histórico, tendo em vista o elevado número de atendimentos realizados nos postos de saúde de Guaratinguetá a moradores dos municípios vizinhos nos últimos meses.

Taubaté realiza campanha Xô Escorpião

A segunda etapa da campanha Xô Escorpião terminou com um saldo de 50 toneladas de entulho e resíduos recolhidos na região composta pelos bairros Três Marias, Bosque da Saúde e Terra Nova.

A ação, finalizada na última sexta-feira, consistiu em um pente-fino nos terrenos dos bairros.

A fiscalização resultou em oito notificações por irregularidades, como o acúmulo de sujeira, mato alto e entulho.

Funcionários da Secretaria de Obras promoveram a limpeza de 289 bocas de lobo. Em seis delas foram encontrados escorpiões.

CONSCIENTIZAÇÃO/ Agentes do CAS (Controle de Animais Sinantrópicos) fizeram visitas casa a casa e distribuíram cerca de 1.200 folhetos com dicas de prevenção aos moradores.

Também foram realizadas capacitações de funcionários da UBS Mais Fazendinha.

Estes profissionais serão agentes multiplicadores responsáveis por auxiliar na conscientização da população.

CRONOGRAMA/ De acordo com cronograma estabelecido no início do ano, a região composta pelos bairros Vila São José e Jardim Maria Augusta deve receber a campanha Xô Escorpião entre os dias 18 e 28 de abril.

A operação de combate aos escorpiões vai englobar 26 bairros de Taubaté e acontecerá mensalmente até novembro.

Taubaté registra quinta morte por Influenza

Um homem de 58 anos é a quinta vítima fatal da gripe em Taubaté neste ano. A informação foi confirmada pela Vigilância Epidemiológica nesta quinta-feira (30) --a morte aconteceu em 28 de fevereiro.

A vítima foi atendida no pronto-socorro e foi confirmado que estava infectada com o vírus Influenza B, porém não chegou a ser internada.

Desde o começo do ano foram confirmadas outras quatro mortes pela gripe. Um jovem de 20 anos, uma idosa de 86 anos e um homem de 58 anos pelo vírus Influenza B e uma mulher de 50 anos contaminada com o vírus H3N2.

De acordo com a Secretária de Saúde, o número de casos por influenza permanece em 22, dos quais 1 para H1N1, 7 para H3N2 e 14 para Influenza B.

Campanha de vacinação

A 19ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza foi adiada para o dia 17 de abril.

Coleta de sangue será suspensa no Hemonúcleo

A coleta de sangue será suspensa por pelo menos 90 dias em Taubaté (SP) a partir desta quinta-feira (30). A suspensão acontece no mesmo dia em que se encerra o convênio do Governo do Estado com a Universidade de Campinas (Unicamp), que gerenciava o Hemonúcleo na cidade.

Os doadores foram informados do fim da coleta nesta terça-feira (28) pela página oficial do Hemonúcleo nas redes sociais, horas depois do governador Geraldo Alckmin (PSDB), em visita à região nesta terça (28), afirmar que o centro não será fechado e que não haverá prejuízo para a população.

De acordo com a secretaria Estadual de Saúde, quatro hemocentros de outras regiões do Estado vão mandar sangue para suprir a necessidade dos pacientes até que o novo hemonúcleo seja aberto.

Segundo a secretaria, a Unicamp deixa de gerenciar o serviço e quem assume é o Hemocentro de Ribeirão Preto, administrado pela Universidade de São Paulo (USP). A unidade precisará mudar para um novo prédio, já que o atual, no Hospital Universitário, será utilizado para abrigar pacientes transferidos do pronto-socorro do município.

A pasta informou que o prédio onde funcionará o hemonúcleo foi definido, porém reformas estão sendo feitas para adequar o edifício. O local não foi informado, mas a previsão é que seja inaugurado daqui a três meses, quando o serviço de coleta de sangue será retomado.

Homem morre de gripe em Taubaté

Um homem de 58 anos, que morreu no último dia 10, é a quarta vítima fatal da gripe em Taubaté (SP) neste ano. A informação foi confirmada pela Vigilância Epidemiológica da cidade nesta quinta (23).

De acordo com a Secretaria da Saúde do município, o paciente teve o vírus Influenza B. Um balanço atualizado da pasta mostra ainda que o número de casos confirmados de pacientes infectados pelos vírus causadores da gripe aumentou em relação à última semana -já são 22 casos, dos quais um para H1N1, sete para H3N2 e 14 para Influenza B.

Em todo o ano passado, oito pessoas morreram com gripe em Taubaté. Neste ano, além do homem de 58 anos, morreram também um jovem de 20 anos e uma mulher de 86 anos, que também estavam com o vírus Influenza B, e uma mulher de 50 anos, que foi contaminada com o vírus H3N2.
As vítimas já eram portadoras de doenças associadas e tiveram os quadros de saúde agravados pelos vírus.

De acordo com a prefeitura, a preocupação com o avanço dos casos ocorre porque quanto mais vírus diferentes são identificados em circulação, maior é a chance de um número expressivo de casos na região. Estima-se que uma pessoa infectada seja capaz de transmitir o vírus para até dois contatos não imunes.

Sintomas
Os sintomas da gripe são febre, tosse ou dor na garganta, além de outros, como dor de cabeça, dor muscular e nas articulações.

O agravamento do quadro clínico do paciente pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração.

Em caso de síndrome gripal, a recomendação é procurar um serviço de saúde o mais rápido possível. A vacina contra a gripe não é capaz de eliminar a doença ou impedir a circulação do vírus.

Governo tem dificuldade na análise de febre amarela

Quase dois terços dos 1.431 casos notificados de febre amarela no País estão sem solução. Desde janeiro, quando o alerta para o aumento inesperado da doença foi dado, equipes de vigilância conseguiram concluir a análise de 504 casos - 379 foram confirmados e 125, descartados. Outros 927 registros suspeitos continuam em investigação.

"Os resultados são essenciais. É com base nos dados que podemos saber a dimensão da epidemia", afirma o epidemiologista da Sociedade Brasileira de Dengue e Arboviroses, André Freitas. "Sem números precisos sobre evolução de casos, não há como avaliar a eficácia das medidas adotadas até o momento", diz o pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Cláudio Maierovitch.

Embora a vacinação esteja sendo feita, novos casos suspeitos continuam a ser registrados. "É um sinal de que algo não vai bem. Se a vacinação da população suscetível tivesse sido feita no tempo correto, logo depois dos primeiros registros de mortes de macacos e de casos suspeitos em humanos, o número de novas infecções já deveria estar caindo", afirma Freitas. A estimativa é de que a pessoa fique protegida contra infecção por febre amarela 15 dias depois de receber a vacina. "Já temos mais de dois meses de epidemia e casos novos continuam a aparecer", observa o epidemiologista.

Uma das possíveis razões para a lentidão na investigação de casos suspeitos de febre amarela é o atraso na realização do teste laboratorial. Maierovitch afirma que, em média, resultados do exame que identifica a presença de anticorpos para a doença ficam prontos em 15 dias. O problema acontece quando o teste é feito de forma tardia, dias após o aparecimento dos sintomas. Nessas condições, há o risco de o resultado ser inconclusivo. Isso obriga a repetição do teste e faz com que outros fatores, como histórico do paciente, onde ele vive, se está ou não vacinado contra a doença, passem a ser considerados.

Essa demora se soma a problemas identificados nos laboratórios. A Funed, referência para a doença em Minas - epicentro da epidemia -, recebeu apenas em fevereiro insumos para o teste PCR (que identifica fragmentos do vírus), apesar de o Estado há anos ser considerado área de risco para febre amarela. Em nota, o Ministério da Saúde informou estar se esforçando para reduzir os prazos para investigação e atribui a demora na confirmação à complexidade da análise. Atualmente, oito laboratórios de referência estão encarregados de fazer a avaliação de casos em humanos.

Cobertura vacinal. Além do atraso no diagnóstico, Freitas sustenta ter havido falhas na vacinação. Ele avalia ser necessária, por exemplo, a extensão da aplicação das vacinas no sul da Bahia, onde já há suspeita de casos de mortes de macacos por febre amarela. De acordo com o Ministério da Saúde, no entanto, a medida deve ser adotada somente quando as suspeitas de casos são confirmadas.

Áreas consideradas de maior risco para febre amarela continuam exibindo níveis de cobertura vacinal abaixo do que seria considerado seguro. De acordo com dados do Ministério da Saúde, em Minas, por exemplo, 74% da população que reside em área considerada de maior risco está protegida. Houve avanço em relação a janeiro, quando a cobertura atingia 53,43%. Mesmo assim, não há ainda como se dizer que há uma situação de segurança.

Em São Paulo, em regiões onde a vacina é recomendada, a cobertura atinge 72,48%. "Em algumas cidades, esses indicadores já estão melhores, como a região de Rio Preto, Botucatu e Franca. Mas o esforço para atingir os 80% ainda continua", afirma o coordenador de Controle de Doenças da Secretaria de Saúde de São Paulo, o infectologista Marcos Boulos. Na Bahia, as cidades consideradas de risco apresentam 72% da população vacinada. No Espírito Santo, o porcentual é de 58%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Zika é mais agressivo em transplantados

Estudo feito por uma equipe médica do Hospital de Base de São José do Rio Preto, interior de São Paulo, demonstrou que o vírus da zika é mais agressivo em pacientes submetidos a transplantes de órgãos, como rim e fígado, do que em outras pessoas. Nesses casos, os sintomas resultantes da infecção em nada se parecem com os da dengue, como era consenso até então pelo mundo.

O estudo dos pesquisadores da Faculdade Regional de Medicina de Rio Preto (Famerp) e da Fundação Faculdade Regional de Medicina (Funfarme) ganhou a capa da edição de março do American Journal of Transplantation, a publicação mundial de maior prestígio na área.

O grupo acompanhou quatro pacientes - dois transplantados renais e dois hepáticos. Segundo o virologista Maurício Nogueira, havia consenso de que a zika era uma doença benigna para os doentes acometidos, exceto grávidas. "Quando vimos aqueles pacientes com sintomas mais graves, achávamos que era dengue, mas nos exames encontramos o zika."

O acompanhamento dos casos mostrou que a ação do vírus, também transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, se potencializa em pacientes imunodeprimidos. "Tudo indica que o mesmo efeito deve ser encontrado em pessoas com diabete ou em tratamento contra o câncer. Para essa população, em especial, o zika não é aquela doença benigna que se pensava."

Alerta. O nefrologista Horácio Ramalho, diretor executivo da Funfarme, acredita que o estudo fará com que o zika seja incluído nas pesquisas virológicas que acompanham os transplantes. "A descoberta serve como alerta mundial para que centros transplantadores façam a pesquisa de mais esse vírus." As informações são da Agência Estado.

Ubatuba intensifica busca de casos de tuberculose

A iniciativa faz parte de campanha nacional que busca ampliar o acesso da população ao tratamento da doença, provocada pelo Bacilo de Koch, um microrganismo que ataca principalmente os pulmões, mas que pode ocorrer também em outras partes do corpo, como ossos e rins. Outro objetivo é o de atualizar os dados estatísticos referentes aos números da doença no país.

Tosse por mais de três semanas, acompanhada ou não de febre no fim do dia, suor noturno, falta de apetite, perda de peso, cansaço ou dor no peito são sinais de alerta para a tuberculose. Pessoas que estejam apresentando esses sintomas devem buscar o quanto antes a unidade de saúde mais próxima a sua residência.

Porém, no período da campanha, até 20 de março, pacientes com os sintomas indicados podem buscar também o pronto-atendimento (PA) do Ipiranguinha e Maranduba ou o pronto-socorro da Santa Casa, para a coleta de escarro e realização do exame. Os resultados saem em curto prazo e permitem o rápido início do tratamento.

A coleta do exame pode ser feita nos postos de saúde do Ipiranguinha e Maranduba (todos os dias, até as 9 horas), Perequê-Mirim (terça e quinta, até as 9 horas), Estufa II (segunda, quarta, quinta e sexta, até as 9 horas), Rio Escuro (quarta e sexta, até as 9 horas) e Itaguá (terça, até as 9 horas).

Transmissão, prevenção e tratamento

A tuberculose é transmitida de pessoa a pessoa pelo ar. Quando alguém que tem a doença no pulmão espirra, tosse ou fala pode espalhar as bactérias que podem ser aspiradas por outras pessoas. A doença não é transmitida por compartilhamento de talheres, copos, toalhas ou por uso de banheiros, nem por beijos e abraços.

Luz solar mata as microbactérias e ventilação as dispersa, por isso ajudam a prevenir a doença. A vacina BCG, recomendada para menores de um ano, protege contra algumas formas mais graves da doença, mas não todas. Se os sintomas aparecerem, é importante buscar uma unidade de saúde.

Ao ser diagnosticado com a doença, o paciente deve iniciar o tratamento e mantê-lo por um período mínimo de seis meses, todos os dias, sem nenhuma interrupção, mesmo com o desaparecimento dos sintomas.

“Diminuir a incidência da doença só é possível com a identificação dos doentes o mais rápido possível e o início imediato do tratamento correto”, alerta o médico infectologista Fernando Bergel. As informações são do Portal R3.

Clima

Go to top